Recado

Recado

As eleições de 2018 não terminarão em outubro, nem em novembro ou dezembro. Os grupos políticos relevantes, que incluem os três Poderes, os interesses organizados, a imprensa e a alta burocracia, desorientados e com reduzida franja de consenso institucional, terão de se haver com um assustador contencioso social, uma indisposição generalizada contra qualquer proposta sobre qualquer coisa, com origem em qualquer dos acima citados. O consenso básico de expulsar as forças populares da competição pelo poder deu lugar a crescente anomia ausência de normas eficazes e duradouras, alimentada a caviar por juízes, políticos, empresários, jornalistas, intelectuais e doidivanas ocasionais.
A população não é responsável por isso nem é composta, em sua imensa maioria, por tipos semelhantes aos que o desalmado destino ajuntou em um mesmo período da história nacional, a título de líderes políticos, jurídicos, sociais, econômicos e, até, culturais. Impotente para substituí-los, em conjunto e simultaneamente, a população resistirá com escárnio e galhofa a todas as celebridades do esgoto público brasileiro. Será a continuação das eleições por outros meios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *