Demasiado humano

Demasiado humano

Ensaio fotográfico de Édi Pereira

 

Que cada um dos fotogramas ampute a falsa superioridade humana, expulsando o ser igual ao ser igual do pedestal da soberba.

Que os seres restantes, a tribo dos perfeitos selvagens, seja constituída de poucos, ínfimos, menores, mas de espírito e natureza livre, ex ante machina!

Clique! A vida parou?

Que ela prossiga, no abrir e fechar do diafragma, diáfana e policromática, desesperadora sempre.

Que o uno e o todo, o verso e o anverso, o ser e todas as síncopes, a íris e a lente, o cosmo e a alma seca, o jorro e o espasmo, o frangalho e o germe, o cume e o despenhadeiro, tão somente todos.

Clique! O tempo parou?

Que a vida prossiga, espumando imperfeições no seu gozo de intragáveis prazeres diários. Escorrendo, escorrendo. Seguindo ao devir.

Clique!

Seu nome é Édi, profissão fotógrafa, 21 anos fazendo isto sem véus.

Luiz Cesar Faro

Jornalista

 

*Título de “Um livro para Espíritos Livres”

(‘Menschliches, Allzumenschliches) de Friedrich Nietzsch

edipereira@gmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *