A lira obscena

A lira obscena

Marcus Fabiano, Advogado

 

O CRÍTICO DE ARTE

 

aplausos eram – ele dizia

uma sagração pelo construtivo

dos eletrônicos, os mais antigos

transístores sobre biscoitos finos

afanados entre os mais molambos

de um esperto Malaquias

habilidoso paneleiro

e fabricante de virtuoses

pela fala doce mais verbosa

 

(a trapeira do seu parangoléxico

ali lhe conferia ares de graça

de profeta vaticinando que

em sua memória uma mortidão

de grãfinos impronunciáveis

envergaria black ties obrigatórios

ao som de diáfanas taças tchecas

e obscuras teorias francesas)

 

no equinócio de um ano sabático

aquela anunciação dos nervos

crispava o seu cenho porejado:

ele era tramas, todo dedos

delicadíssimo e multicerticado

nos mais mínimos milímetros

de que desacordos não feririam

sua alteza o presidente

do alto patronato da míngua

(um tipo Calígula de Quintino)

faraó das cifras e alíquotas

o grão mecenas da lavanderia

que mascando seu charuto

suspirava por putinhas.

 

 

OS NOVOS BROQUÉIS

 

dito um certo oblíquo

de requintes despojado

sem as maneiras finas

do nu e do calvo

libidinoso e dissoluto

feito um fauno

ou antes mesmo um tarado

que se apresenta inconveniente

(de pau duro & pelado)

que atinge de través

como a cilada inevitável

que não é de quina perfeita

como o canto do esquadro

que chega bicudo e hostil

como o cotovelo do gaiato

que alvoroça e aterroriza

a sentinela em sobressalto

que brandindo seu escudo

enfim revida o atentado

 

mas não um escudo muro

dos de imenso anteparo

e sim um bem pequeno

a bem dizer discoide ou ovalado

um escudo então redondo

(sem as coberturas do biombo)

que para se exprimir corretamente

remove o pó da palavra broquel

– a mesma dos Broquéis de Cruz e Sousa:

um escudo ágil e de estreita loisa

que traz no centro de sua calota

uma ponta muito aguda

(por isso dita broca?)

recurso derradeiro de quem

surpreendido sem seu gládio

conserva na própria defesa

o rechaço do adversário.

 

O autor é professor de Hermenêutica da UFF

marcusfabiano@terra.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *